domingo, 16 de março de 2014

PROJECTAR COM ÁLVARO SIZA


A segunda parte da próxima sessão - dupla - PROJECTAR, pelas 19h00 de dia 20 de Março, na Biblioteca Municipal de GAVIÃO, será dedicada ao arquitecto ÁLVARO SIZA, que pela segunda vez é alvo de atenção desta actividade.

Álvaro Joaquim de Melo Siza Vieira nasceu a 25 de Junho de 1933 em Matosinhos, filho de Júlio Siza Vieira e de Cacilda Ermelinda Camacho Carneiro.

Estudou arquitectura na Escola Superior de Belas Artes do Porto entre 1949 e 1955, construindo a sua primeira obra em 1954, antes de ter concluído o curso. Ensinou nesta escola entre 1966 e 1969, e regressou em 1976 como professor assistente de "Construção", passando para a Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, quando esta se autonomizou daquela, onde deu a sua última aula em Outubro de 2003.

Foi colaborador de Fernando Távora entre 1955 e 1958, de quem havia sido aluno. Mais recentemente tem colaborado com os arquitectos Eduardo Souto Moura, entre outros para os projectos do Pavilhão de Portugal na Expo 2000 em Hannover e para o Pavilhão da Serpentine Gallery em 2005, e Carlos Castanheira em vários projectos para a Coreia do Sul desde 2005.

Entre as suas primeiras obras, que cedo lhe deram visibilidade, contam-se a Casa de Chá da Boa Nova (1958-63) e a Piscina da Marés (1961-62), ambas em Leça da Palmeira, a agência do Banco Pinto & Sotto Mayor (1971-74) em Oliveira de Azeméis, ou a casa Beires (1973-76) na Póvoa do Varzim.

Após a revolução de 25 de Abril de 1974, integra as equipas do SAAL (Serviço Ambulatório de Apoio Local), onde conclui os projectos de habitação colectiva da Bouça (1973-77 e 2004-06) e São Victor (1974-77), ambos no Porto, e é-lhe encomendado pelo Município de Évora o projecto para a construção do bairro de habitação social da Quinta da Malagueira (desde 1977), projecto que vai ter publicação internacional e o torna conhecido além-fronteiras.

Foi convidado a colaborar na reabilitação do bairro de Kreuzberg, em Berlim, na Alemanha, para onde fez três projectos, dos quais se destaca o Schlesisches Tor (1980-84), a sua primeira obra realizada no estrangeiro, a que se seguiram os projectos para Haia, na Holanda, de habitações colectivas no bairro Schilderswijk Ward (1986-88) e de duas casas no Parque Van der Venne (1986-88), e o Museu de Arte Contemporânea de Santiago de Compostela (1986-95), em Espanha.

Em Portugal, neste período destacam-se os projectos para a agência do Banco Borges & Irmão (1978-86), em Vila do Conde, a Escola Superior de Educação de Setúbal (1986-92), a Faculdade de Arquitectura do Porto (1985-86 e 1986-93) e o depósito de água e a biblioteca da Universidade de Aveiro (1989-90 e 1988-95). Em 1988, após o incêndio que destruiu o Chiado, é encarregado de coordenar a elaboração do respectivo plano de reconstrução, e o projecto de alguns dos edifícios.

Seguem-se outros projectos como a Igreja e Centro Paroquial de Marco de Canavezes (1990-96), o Museu de Arte Contemporânea de Serralves (1991-99), no Porto, a estação de Metropolitano Baixa/Chiado (1992-95) ou o Pavilhão de Portugal para a Expo'98 (1995-98), em Lisboa.

Em Espanha, o projecto para o Centro Meteorológico da Vila Olímpica (1990-92) em Barcelona, a Faculdade de Ciências da Informação (1993-2000), em Santiago de Compostela, a Reitoria da Universidade de Alicante (1995-98), o Edifício Zaida (1998-2006), de escritórios, comércio e habitação, em Granada, e o Complexo Desportivo Ribero Serralo (2003-06), em Cornellà de Llobregat em Barcelona.

Na Holanda, a renovação e extensão do Museu Stedelijk (1995-98) em Amesterdão, o bloco de habitações e escritórios Ceramique Terrein (1997-2001), em Maastricht, e o Edifício New Orleans (2002-10), em Roterdão. Na Bélgica, a casa Van Middlelem-Dupont (1995-2001), em Oudenburg. Na Alemanha, o Museu de Arquitectura - Stifting Insel Hombroich (1995-2008), em Hombroich.

Na Argentina, o Centro Municipal no Districto Sud (1997), em Rosário. No Brasil, o Centro Cultural e Auditório para a Fundação Iberê Camargo (1998-2009), em Porto Alegre. Em Cabo Verde, o Plano para a Cidade Velha (1998) e uma Pousada no âmbito desse plano. Na Coreia do Sul, o Pavilhão Anyang (2005-06), o Museu Mimesis (2006-10) e o novo edifício de laboratório de Amore Pacific R & D (2007-10), em Seoul. Na Suiça, o Campus Novartis (2006-10), em Basileia.

Entre os projectos mais recentes em Portugal destacam-se a Estação de São Bento do Metro do Porto (1997-2005), a recuperação da Casa Camilo Castelo Branco e Casa da Cultura (1998-2005), em Ceide, Famalicão, o Pavilhão Multiusos (2000-07), em Gondomar, a Biblioteca Municipal de Viana do Castelo (2000-08), a casa do Pêgo (2002-05), em Sintra, a recuperação do Moinho do Papel (2003-09), em Leiria, a Adega Mayor (2003-06), em Campo Maior, a Adega Quinta do Portal (2003-08), em Celeiros do Douro, Sabrosa, ou o projecto de reformulação da Avenida dos Aliados (2005), no Porto.

Foi Professor Visitante na Escola Politécnica de Lausanne, na Universidade de Pensilvânia, na Escola de Los Andes em Bogotá, na Graduate School of Design of Harvard University como "Kenzo Tange Visiting Professor".

Entre os muitos prémios com que foi distinguido destacam-se: o Prémio de Arquitectura da Associação Internacional de Críticos de Arte em 1982, o Prémio de Arquitectura da Associação de Arquitectos Portugueses em 1987 e em 1993, a Medalha de Ouro da Fundação Alvar Aalto em 1988, o Prémio Prince of Wales da Harvard University em 1988, o Prémio Europeu de Arquitectura / Fundação Mies van der Rohe em 1988, o Prémio Pritzker em 1992, o Prémio Secil de Arquitectura em 1996, 2000 e 2006, o Praemium Imperiale pela Japan Art Association em 1998, a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique em 1999, o Prémio de Artes pela Wolf Foundation em Israel em 2001, o Leão de Ouro para o melhor projecto na Bienal Arquitectura de Veneza em 2002, a Medalha de Ouro Real pelo Royal Institute of British Architects em 2009, a Medalha de Ouro pela Academie d'Architecture de Paris em 2009, a Medalha de Mérito Cultural pelo Ministério da Cultura em 2009, a Medalha de Ouro da UIA em Tóquio em 2011, e o Leão de Ouro pelo Conjunto da Obra da Bienal de Arquitectura de Veneza em 2012.


Informações sobre o documentário aqui.
Mapa de localização do local onde decorrerá a sessão aqui.

Apoio:
Município de Gavião

PROGRAMA:

20 de Março, 19h00
Biblioteca Municipal de Gavião
WALTER GROPIUS + ÁLVARO SIZA = DUAS ESCOLAS
da série ARCHITECTURES
A BAUHAUS DE DESSAU
(1999, Frédéric Compain, 27')
A ESCOLA DE SIZA
(2000, Richard Copans e Stan Neumann, 27')

16 de Abril, 18h30
Instituto Politécnico de Tomar
MANUEL TAÍNHA
In Medias Res - No Meio das Coisas

Sem comentários:

Enviar um comentário