terça-feira, 25 de outubro de 2016

15 ANOS | 15 PROJETOS - EXPOSIÇÃO DE ARQUITECTURA

Após a bem sucedida apresentação no dia 23 de Outubro no claustro do Museu de Leiria, a exposição “15 anos | 15 projetos” foi transferida para a galeria central da Biblioteca Municipal Afonso Lopes Vieira, em Leiria, onde poderá ser visitada até ao dia 15 de Novembro. Uma iniciativa apoiada pela Delegação do Centro da Ordem dos Arquitectos, em prol da divulgação do trabalho dos gabinetes da sua região de actuação.

Trata-se de uma mostra de 15 projectos desenvolvidos pelo atelier Filipe Saraiva - Arquitectos, sediado em Ourém, apresentada através de um conjunto de peças isoladas, que não obedecem a uma ordem cronológica, mas que por uma razão ou outra, são obras com as quais o arquitecto Filipe Saraiva mais se identifica e que, melhor caracterizam o trabalho desenvolvido ao longo dos últimos 15 anos de actividade.
A síntese dos projectos é representada por uma maquete de conceito de cada projecto e por peças gráficas de apoio à sua interpretação. Pretende-se evidenciar e reforçar a ideia da arquitectura enquanto laboratório de ideias num processo criativo contínuo. As maquetes reflectem, visualmente, o conceito adoptado e a identidade de cada um dos projectos de uma forma sintética e quase abstracta, sendo elas próprias um exercício de estilo.


A exposição pode ser visitada de 2.ª a 6.ª-feira das 9h30 às 20h00 e aos sábados das 14h00 às 20h00 até ao dia 15 de Novembro com entrada gratuita.

Mais informações sobre o atelier em www.filipesaraiva.pt ou em facebook.com/filipesaraiva.arquitectos

terça-feira, 11 de outubro de 2016

PROJECTAR #46


A quadragésima sexta sessão da actividade PROJECTAR desafia-nos a compreender propostas controversas para uma nova tipologia de centros culturais através das obras dos arquitectos Richard Rogers, Renzo Piano e Toyo Ito, e terá lugar no auditório da Sede da Delegação do Centro da Ordem dos Arquitectos, em Abrantes, no próximo dia 20 de Outubro, pelas 21h45.

Ambos da série Architectures e realizados por Richard Copans, o primeiro documentário, de 1997, leva-nos a conhecer o Centro Georges Pompidou, em Paris, projectado pelos arquitectos Richard Rogers e Renzo Piano:
Amesquinhado quando da sua construção, o Centro Georges Pompidou, a caminho dos seus 40 anos, tornou-se o terceiro monumento mais visitado de França.
Localizado no coração histórico de Paris, um centro dedicado à leitura pública, à arte e à criação contemporânea: o Centro Georges Pompidou foi construído entre 1970 e 1977. Faltava a Paris um novo museu de arte moderna, uma nova biblioteca, um centro de música contemporânea, espaços maiores para o Design Center. O presidente Pompidou decidiu reuni-los todos num único edifício destinado a acolher um público mais vasto. Richard Rogers e Renzo Piano conceberam um "centro de informação" em constante evolução, uma mescla de Times Square informatizada e de British Museum, o todo centrado na participação entre as pessoas que aí se deslocam e as actividades que aí acontecem.


in: http://boutique.arte.tv/f301-architectures_centre_georges_pompidou



A mediateca de Sendai, projectada por Toyo Ito, será o edifício em foco no segundo documentário, realizado em 2005:
Em 1995, o arquitecto japonês Toyo Ito vence o concurso para a construção de uma mediateca em Sendai, uma cidade com 1 milhão de habitantes a 300 km a norte de Tóquio.
Esta mediateca é um novo tipo de infraestrutura cultural que reúne num único lugar uma mediateca, uma galeria de arte, uma biblioteca e um centro de informações para os cidadãos. Desde o início, todos os esforços de Toyo Ito se concentram no modo de demolir os arquétipos tradicionais do museu ou da biblioteca para reconstruir um novo modelo de mediateca, adaptado aos medias do século XXI. A estrutura da mediateca de Sendai repousa sobre treze colunas. Elas asseguram a estabilidade do edifício ao mesmo tempo que permitem a passagem das diferentes formas de energia (luz, ar, som, água), dos circuitos informáticos e das comunicações verticais (escadas, elevadores). Todas estas colunas têm dimensões diferentes em função dos dispositivos que acolhem. Elas são, além disso, dispostas de modo aleatório no espaço. A pele da Mediateca de Sendai é um bloco de vidro que capta a energia do céu e da terra. As fachadas norte, este e oeste são constituídas por uma folha de vidro, enquanto que a fachada sul beneficia de uma dupla pele de vidro. Estas fachadas são compostas por grandes painéis sem caixilhos de 2,5 metros de altura fixas nos quatro cantos à estrutura portante. Faixas de alumínio descontínuas aplicadas na superfície exterior do vidro compõem um efeito espelhado progressivo que vai da transparência total dos níveis inferiores até uma semi-transparência dos níveis superiores. O efeito espelhado da fachada reflectindo as árvores vizinhas é acentuado durante o dia, enquanto que à noite, a iluminação interior do edifício revela a sua estrutura por transparência. A pele permite regular a quantidade de luz natural graças às faixas de alumínio aplicadas na face exterior.


in: http://boutique.arte.tv/f1023-architectureslamediathequedesendai



Com estas sessões propõe-se esta Delegação da Ordem dos Arquitectos exibir documentários de Arquitectura, como forma de divulgar a vida e obra de arquitectos com importância na história e teoria da arquitectura, nacional e internacional, de várias épocas e movimentos, e assim contribuir para o enriquecimento da cultura arquitectónica na nossa região.

Estas sessões destinam-se, para além dos arquitectos da região, a outros técnicos e a todas as pessoas com curiosidade e interesse nestes temas, sendo de acesso livre mas limitadas à lotação do auditório da Sede da Delegação do Centro da Ordem dos Arquitectos, em Abrantes, que está disponível para o efeito.

Apoio:
Município de Abrantes

PROGRAMA:

20 de Outubro, 21h45
Sede da Delegação do Centro da Ordem dos Arquitectos, Abrantes
O Centro Georges Pompidou
RICHARD ROGERS & RENZO PIANO

(1997, Richard Copans, 27')
A Mediateca de Sendai
TOYO ITO

(2005, Richard Copans, 26')

domingo, 9 de outubro de 2016

15 ANOS | 15 PROJETOS - EXPOSIÇÃO DE ARQUITECTURA

Dia 23 de Outubro, está patente ao público no claustro do Museu de Leiria, a exposição “15 anos | 15 projetos”, iniciativa apoiada pela Delegação do Centro da Ordem dos Arquitectos, em prol da divulgação do trabalho dos gabinetes da sua região de actuação.

Trata-se de uma mostra de 15 projectos desenvolvidos pelo atelier Filipe Saraiva - Arquitectos, sediado em Ourém, apresentada através de um conjunto de peças isoladas, que não obedecem a uma ordem cronológica, mas que por uma razão ou outra, são obras com as quais o arquitecto Filipe Saraiva mais se identifica e que, melhor caracterizam o trabalho desenvolvido ao longo dos últimos 15 anos de actividade.
A síntese dos projectos é representada por uma maquete de conceito de cada projecto e por peças gráficas de apoio à sua interpretação. Pretende-se evidenciar e reforçar a ideia da arquitectura enquanto laboratório de ideias num processo criativo contínuo. As maquetes reflectem, visualmente, o conceito adoptado e a identidade de cada um dos projectos de uma forma sintética e quase abstracta, sendo elas próprias um exercício de estilo.


A exposição pode ser visitada das 9h30 às 17h30 do dia 23 de Outubro, domingo - entrada gratuita.

Mais informações sobre o atelier em www.filipesaraiva.pt ou em facebook.com/filipesaraiva.arquitectos

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

HÁ DEZ ANOS - LANÇAMENTO DO PAPELPAREDE 00º NO DIA MUNDIAL DA ARQUITECTURA


Há dez anos, a 2 de Outubro de 2006, o Núcleo do Médio Tejo da Ordem dos Arquitectos assinalou o Dia Mundial da Arquitectura com o lançamento da publicação periódica PAPELPAREDE, no Palácio dos Governadores – Castelo de Abrantes.


Pretende-se com esta iniciativa divulgar não só a Arquitectura mas também as artes, o território, a paisagem, a imagem e as ciências sociais, num contributo para estimular a cultura local.
Quer ser um palco natural para o estabelecimento de diálogos interdisciplinares, de abertura a todos os interlocutores externos proporcionando uma maior abrangência temática, reafirmando a importância dos diferentes temas desenvolvidos, como factores culturais fundamentais para a vida contemporânea e como uma mais valia para as nossas comunidades.
Desta forma, o Núcleo do Médio Tejo, dá início a um percurso com o número 0 com o tema “Não Lugares” – tendo como denominador comum a A23, um não lugar por excelência.
Foram impressos 1.000 exemplares com distribuição gratuita pelos arquitectos da região, entidades e instituições locais, regionais e nacionais, meios de comunicação social e ainda disponibilizados em locais de confluência de arquitectos e não só.
Iniciou-se de imediato o desenvolvimento dos conteúdos do número 1, dedicado ao tema “Casa”.



O PAPELPAREDE foi apresentado numa instalação multimédia em cenário eleito pela sua forte identidade e valor histórico.
A iniciativa contou com a presença de cerca de meia centena de pessoas, entre arquitectos e população em geral.


Seguiu-se um jantar de convívio que contou com a presença de cerca de três dezenas de arquitectos e pessoas da região.