quarta-feira, 26 de março de 2014

COMEMORAR EM TOMAR

No próximo dia 16 de Abril assinala-se o 10.º aniversário da criação do Núcleo do Médio Tejo, estrutura descentralizada da Ordem dos Arquitectos, antecessora da actual Delegação de Abrantes.
Para comemorar a data estamos a organizar uma série de actividades, incluindo o lançamento de mais um número do PAPELPAREDE, uma conferência sobre o arquitecto Manuel Taínha e mais uma sessão PROJECTAR, a viségima, com um documentário sobre o pensamento deste arquitecto realizado por Luciana Fina.
O cenário para este evento vai ser o Instituto Politécnico de Tomar, obra projectada por Manuel Taínha e Bartolomeu Costa Cabral, prevendo-se a realização de uma curta visita guiada.
Para completar a noite, seguir-se-á um jantar comemorativo.



Ver Instituto Politécnico de Tomar num mapa maior

Mais informações em breve.

domingo, 16 de março de 2014

PROJECTAR COM ÁLVARO SIZA


A segunda parte da próxima sessão - dupla - PROJECTAR, pelas 19h00 de dia 20 de Março, na Biblioteca Municipal de GAVIÃO, será dedicada ao arquitecto ÁLVARO SIZA, que pela segunda vez é alvo de atenção desta actividade.

Álvaro Joaquim de Melo Siza Vieira nasceu a 25 de Junho de 1933 em Matosinhos, filho de Júlio Siza Vieira e de Cacilda Ermelinda Camacho Carneiro.

Estudou arquitectura na Escola Superior de Belas Artes do Porto entre 1949 e 1955, construindo a sua primeira obra em 1954, antes de ter concluído o curso. Ensinou nesta escola entre 1966 e 1969, e regressou em 1976 como professor assistente de "Construção", passando para a Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, quando esta se autonomizou daquela, onde deu a sua última aula em Outubro de 2003.

Foi colaborador de Fernando Távora entre 1955 e 1958, de quem havia sido aluno. Mais recentemente tem colaborado com os arquitectos Eduardo Souto Moura, entre outros para os projectos do Pavilhão de Portugal na Expo 2000 em Hannover e para o Pavilhão da Serpentine Gallery em 2005, e Carlos Castanheira em vários projectos para a Coreia do Sul desde 2005.

Entre as suas primeiras obras, que cedo lhe deram visibilidade, contam-se a Casa de Chá da Boa Nova (1958-63) e a Piscina da Marés (1961-62), ambas em Leça da Palmeira, a agência do Banco Pinto & Sotto Mayor (1971-74) em Oliveira de Azeméis, ou a casa Beires (1973-76) na Póvoa do Varzim.

Após a revolução de 25 de Abril de 1974, integra as equipas do SAAL (Serviço Ambulatório de Apoio Local), onde conclui os projectos de habitação colectiva da Bouça (1973-77 e 2004-06) e São Victor (1974-77), ambos no Porto, e é-lhe encomendado pelo Município de Évora o projecto para a construção do bairro de habitação social da Quinta da Malagueira (desde 1977), projecto que vai ter publicação internacional e o torna conhecido além-fronteiras.

Foi convidado a colaborar na reabilitação do bairro de Kreuzberg, em Berlim, na Alemanha, para onde fez três projectos, dos quais se destaca o Schlesisches Tor (1980-84), a sua primeira obra realizada no estrangeiro, a que se seguiram os projectos para Haia, na Holanda, de habitações colectivas no bairro Schilderswijk Ward (1986-88) e de duas casas no Parque Van der Venne (1986-88), e o Museu de Arte Contemporânea de Santiago de Compostela (1986-95), em Espanha.

Em Portugal, neste período destacam-se os projectos para a agência do Banco Borges & Irmão (1978-86), em Vila do Conde, a Escola Superior de Educação de Setúbal (1986-92), a Faculdade de Arquitectura do Porto (1985-86 e 1986-93) e o depósito de água e a biblioteca da Universidade de Aveiro (1989-90 e 1988-95). Em 1988, após o incêndio que destruiu o Chiado, é encarregado de coordenar a elaboração do respectivo plano de reconstrução, e o projecto de alguns dos edifícios.

Seguem-se outros projectos como a Igreja e Centro Paroquial de Marco de Canavezes (1990-96), o Museu de Arte Contemporânea de Serralves (1991-99), no Porto, a estação de Metropolitano Baixa/Chiado (1992-95) ou o Pavilhão de Portugal para a Expo'98 (1995-98), em Lisboa.

Em Espanha, o projecto para o Centro Meteorológico da Vila Olímpica (1990-92) em Barcelona, a Faculdade de Ciências da Informação (1993-2000), em Santiago de Compostela, a Reitoria da Universidade de Alicante (1995-98), o Edifício Zaida (1998-2006), de escritórios, comércio e habitação, em Granada, e o Complexo Desportivo Ribero Serralo (2003-06), em Cornellà de Llobregat em Barcelona.

Na Holanda, a renovação e extensão do Museu Stedelijk (1995-98) em Amesterdão, o bloco de habitações e escritórios Ceramique Terrein (1997-2001), em Maastricht, e o Edifício New Orleans (2002-10), em Roterdão. Na Bélgica, a casa Van Middlelem-Dupont (1995-2001), em Oudenburg. Na Alemanha, o Museu de Arquitectura - Stifting Insel Hombroich (1995-2008), em Hombroich.

Na Argentina, o Centro Municipal no Districto Sud (1997), em Rosário. No Brasil, o Centro Cultural e Auditório para a Fundação Iberê Camargo (1998-2009), em Porto Alegre. Em Cabo Verde, o Plano para a Cidade Velha (1998) e uma Pousada no âmbito desse plano. Na Coreia do Sul, o Pavilhão Anyang (2005-06), o Museu Mimesis (2006-10) e o novo edifício de laboratório de Amore Pacific R & D (2007-10), em Seoul. Na Suiça, o Campus Novartis (2006-10), em Basileia.

Entre os projectos mais recentes em Portugal destacam-se a Estação de São Bento do Metro do Porto (1997-2005), a recuperação da Casa Camilo Castelo Branco e Casa da Cultura (1998-2005), em Ceide, Famalicão, o Pavilhão Multiusos (2000-07), em Gondomar, a Biblioteca Municipal de Viana do Castelo (2000-08), a casa do Pêgo (2002-05), em Sintra, a recuperação do Moinho do Papel (2003-09), em Leiria, a Adega Mayor (2003-06), em Campo Maior, a Adega Quinta do Portal (2003-08), em Celeiros do Douro, Sabrosa, ou o projecto de reformulação da Avenida dos Aliados (2005), no Porto.

Foi Professor Visitante na Escola Politécnica de Lausanne, na Universidade de Pensilvânia, na Escola de Los Andes em Bogotá, na Graduate School of Design of Harvard University como "Kenzo Tange Visiting Professor".

Entre os muitos prémios com que foi distinguido destacam-se: o Prémio de Arquitectura da Associação Internacional de Críticos de Arte em 1982, o Prémio de Arquitectura da Associação de Arquitectos Portugueses em 1987 e em 1993, a Medalha de Ouro da Fundação Alvar Aalto em 1988, o Prémio Prince of Wales da Harvard University em 1988, o Prémio Europeu de Arquitectura / Fundação Mies van der Rohe em 1988, o Prémio Pritzker em 1992, o Prémio Secil de Arquitectura em 1996, 2000 e 2006, o Praemium Imperiale pela Japan Art Association em 1998, a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique em 1999, o Prémio de Artes pela Wolf Foundation em Israel em 2001, o Leão de Ouro para o melhor projecto na Bienal Arquitectura de Veneza em 2002, a Medalha de Ouro Real pelo Royal Institute of British Architects em 2009, a Medalha de Ouro pela Academie d'Architecture de Paris em 2009, a Medalha de Mérito Cultural pelo Ministério da Cultura em 2009, a Medalha de Ouro da UIA em Tóquio em 2011, e o Leão de Ouro pelo Conjunto da Obra da Bienal de Arquitectura de Veneza em 2012.


Informações sobre o documentário aqui.
Mapa de localização do local onde decorrerá a sessão aqui.

Apoio:
Município de Gavião

PROGRAMA:

20 de Março, 19h00
Biblioteca Municipal de Gavião
WALTER GROPIUS + ÁLVARO SIZA = DUAS ESCOLAS
da série ARCHITECTURES
A BAUHAUS DE DESSAU
(1999, Frédéric Compain, 27')
A ESCOLA DE SIZA
(2000, Richard Copans e Stan Neumann, 27')

16 de Abril, 18h30
Instituto Politécnico de Tomar
MANUEL TAÍNHA
In Medias Res - No Meio das Coisas

quarta-feira, 12 de março de 2014

PROJECTAR COM WALTER GROPIUS


O primeiro arquitecto a ser abordado na próxima sessão, dupla desta vez, da actividade PROJECTAR será WALTER GROPIUS, pelas 19h00 do dia 20 de Março na Biblioteca Municipal de GAVIÃO.

Nascido em Berlim a 18 de Maio de 1883, terceiro filho de Walter Adolph Gropius, arquitecto, e de Manon Auguste Pauline Scharnweber, e neto do também arquitecto Martin Gropius.

Estudou arquitectura entre 1903 e 1907 em Munique e em Berlim, tendo a partir de 1908 trabalhado no estúdio de Peter Behrens, onde teve como colegas Ludwig Mies van der Rohe, Le Corbusier, e Dietrich Marcks.

Em 1910 estabeleceu-se com escritório próprio com o arquitecto Adolf Meyer, em Berlim. Influenciado pelo mestre Behrens, o seu primeiro grande projecto, para a Fábrica Fagus em Alfeld, em 1911, já permite antever parte dos elementos que vão caracterizar a sua futura obra: estrutura independente, fachadas envidraçadas, volumes puros.

Entre os trabalhos deste período incluem-se os escritórios e edifício fabril para a Exposição Werkbund (1914) em Colónia. Em 1913 publicou um artigo acerca da "Evolução dos Edifícios Industriais", que incluía cerca de uma dúzia de fotografias de fábricas e de silos de cereais da América do Norte, que viria a revelar-se uma forte influência em outros modernistas europeus, incluindo Le Corbusier e Erich Mendelsohn, os quais reusaram as fotografias de Gropius dos silos em escritos seus entre 1920 e 1930.

Com o deflagrar da primeira grande guerra, Gropius foi mobilizado, cumprindo o serviço militar na frente ocidental, onde foi ferido e quase morto.

Em 1919 Gropius sucedeu a Henry van de Velde (dispensado em 1915, dada a sua nacionalidade belga) na direcção da Escola de Artes Aplicadas de Weimar, escola que de acordo com as suas orientações vai transformar na Bauhaus, para a qual começou por contratar como professores três artistas: Johannes Itten, Gerhard Marcks e Lyonel Feininger, a que se seguiriam mais tarde Georg Muche, Paul Klee, Oskar Schlemmer, Wassily Kandinsky, Josef Albers, e László Moholy-Nagy.

Quando a Bauhaus em Weimar se defrontou com obstáculos políticos das autoridades, Walter Gropius foi forçado a procurar um novo local, encontrando em Dessau as condições ideais para se reinstalar em 1925, cabendo a Gropius projectar os edifícios da escola e das casas dos professores, construídos entre 1925-26.

Gropius foi director da escola até Abril de 1928, depois de ter sido de Março de 1921 a Abril de 1925 Mestre da Forma no atelier de carpintaria. São desta época os projectos do «Teatro Total» para Erwin Piscator em 1927, do Bairro Törten em Dessau, a partir de 1926, e Dammerstock em Karlsruhe em 1930.

Em 1933 a Bauhaus é novamente forçada a mudar de instalações, desta vez, para Berlim, onde pouco tempo depois acabou por encerrar definitivamente. Com a ajuda do arquitecto inglês Maxwell Fry, Walter Gropius conseguiu deixar a Alemanha nazi e radicar-se em Londres. Em 1937 é convidado para leccionar na Graduate School of Design em Harvard, nos EUA, e em 1938 é nomeado chefe do departamento de arquitectura da mesma universidade, ano em que construiu a sua própria casa em Lincoln, Massachusetts.

De 1938 a 1941, partilhou um atelier de arquitectura com Marcel Breuer, com quem projectou a Alan I W Frank House em Pittsburgh e a vila-empresa Aluminum City Terrace em New Kensington, Pensilvania.

Em 1944 naturalizou-se cidadão dos Estados Unidos. Em 1945 fundou a The Architects' Collaborative (TAC), com base em Cambridge em conjunto com um grupo de jovens arquitectos, que se tornaria uma das mais conhecidas e respeitadas firmas de arquitectura do mundo.

Em 1959 foi premiado com a Medalha de Ouro do AIA (American Institute of Architects). Faleceu em Boston, Massachusetts, a 5 de Julho de 1969, com 86 anos.


Informações sobre o documentário aqui.
Mapa de localização do local onde decorrerá a sessão aqui.

Apoio:
Município de Gavião

PROGRAMA:

20 de Março, 19h00
Biblioteca Municipal de Gavião
WALTER GROPIUS + ÁLVARO SIZA = DUAS ESCOLAS
da série ARCHITECTURES
A BAUHAUS DE DESSAU
(1999, Frédéric Compain, 27')
A ESCOLA DE SIZA
(2000, Richard Copans e Stan Neumann, 27')

16 de Abril, 18h30
Instituto Politécnico de Tomar
MANUEL TAÍNHA
In Medias Res - No Meio das Coisas

quinta-feira, 6 de março de 2014

PROJECTAR #19


Será dupla a décima nona sessão da actividade PROJECTAR com a exibição de dois documentários da série Architectures dedicados a dois emblemáticos edifícios escolares do século XX, na Biblioteca Municipal de Gavião no próximo dia 20 de Março, pelas 19h00.

Começamos com "A Bauhaus de Dessau", dedicado à escola projectada por Walter Gropius, num documentário realizado por Frédéric Compain.

Walter Gropius construiu em 1926 a sua "Escola Superior de Criação": a Bauhaus. Este estranho edifício, com paredes de vidro, ângulos rectos e coberturas planas, vai tornar-se num dos mais conhecidos da arquitectura do século XX.

Fundada por Gropius em 1919 em Weimar, a Bauhaus, que significa literalmente a arte de construir, consiste numa escola que pretende reconciliar a arte e o artesanato e assim criar uma nova estética ao serviço da indústria. Em 1925, expulsa de Weimar pela chegada da extrema direita ao poder, a escola encontra refúgio em Dessau, cidade industrial em plena expansão. Gropius recebe carta branca para a construção dos novos edifícios da escola o que lhe dá a oportunidade de pôr em prática as suas teorias sobre arquitectura; o funcionalismo, a rejeição de todo o princípio de simetria, a rejeição das curvas em benefício das linhas rectas, a recusa de qualquer aplicação decorativa, e finalmente a transparência, a das grandes fachadas de vidro, que virá a ser tão reproduzida ao longo do século XX. O edifício procura atingir simultaneamente dois objectivos: servir de "montra" à Bauhaus auxiliando-a a convencer o mundo da indústria, e constituir o lugar, a fundação de uma comunidade ideal de artistas-engenheiros. A chegada ao poder dos nazis vem pôr termo a esta etapa da aventura, mas o edifício conseguirá sobreviver ao terceiro Reich assim como à RDA. A lenda fundadora da arquitectura moderna, continua lá, pouco envelhecida, quase intacta, mas também mais enigmática do que poderíamos crer.


(in http://boutique.arte.tv/f465-architectureslebauhausdedessau)



Segue-se "A Escola de Siza", título do documentário realizado por Richard Copans e Stan Neumann dedicado à Faculdade de Arquitectura do Porto, concebida por Álvaro Siza.

Construída por Álvaro Siza, a faculdade de arquitectura do Porto brinca às escondidas com os elementos que a rodeiam. Uma espantosa reflexão sobre o espaço.

Tudo nasce de um cubo vazado, inspirado por um dos mais belos edifícios do antigo Porto: o palácio episcopal, nas margens do Douro. Álvaro Siza não gosta de construir no vazio. Encarregado de projectar a faculdade de arquitectura da cidade portuguesa, ele imagina um edifício diferente dos outros, obrigando os elementos a participar no jogo de oblíquas, enquadrando vistas na paisagem, estendendo, contraindo, quebrando a monotonia dos materiais de origem. O resultado é surpreendente: nenhuma referência, nenhuma entrada principal, envolventes inacabadas e uma torre ausente. Um modelo de originalidade sem floreados, respondendo às regras geométricas provocadoras do mestre. O edifício, terminado e inaugurado em 1996, foi concebido para acolher 500 estudantes.


(in http://boutique.arte.tv/f435-architectureslecoledesiza)


Com estas sessões propõe-se esta Delegação da Ordem dos Arquitectos exibir documentários de Arquitectura, como forma de divulgar a vida e obra de arquitectos com importância na história e teoria da arquitectura, nacional e internacional, de várias épocas e movimentos, e assim contribuir para o enriquecimento da cultura arquitectónica na nossa região.

Estas sessões destinam-se, para além dos arquitectos da região, a todas as pessoas com curiosidade e interesse nestes temas, sendo de acesso livre e limitadas à lotação da sala que, na Biblioteca Municipal de Gavião, está disponível para o efeito.

Apoio:
Município de Gavião

PROGRAMA:

20 de Março, 19h00
Biblioteca Municipal de Gavião
WALTER GROPIUS + ÁLVARO SIZA = DUAS ESCOLAS
da série ARCHITECTURES
A BAUHAUS DE DESSAU
(1999, Frédéric Compain, 27')
A ESCOLA DE SIZA
(2000, Richard Copans e Stan Neumann, 27')

16 de Abril, 18h30
Instituto Politécnico de Tomar
MANUEL TAÍNHA
In Medias Res - No Meio das Coisas
(2013, Luciana Fina, 72')